Você está aqui: Página Inicial > acervo_legado > Anistia Política > Projetos > Marcas da Memória IV - 2013

Marcas da Memória IV - 2013

por Renata Barreto Pretrulan publicado 25/04/2016 09h07, última modificação 25/04/2016 09h07

Em sua quarta edição, a chamada pública do projeto Marcas da Memória selecionou oito projetos da sociedade civil, que produziram filmes, exposições, pesquisas, eventos e intervenções teatrais. Com um aporte no valor de R$ 2.419.430,11, a Comissão de Anistia viabilizou o aprofundamento das ações por memória, verdade e justiça no país.

 

Cinema pela verdade

A partir da quarta chamada do projeto Marcas da Memória, o Instituto Cultura em Movimento (ICEM) realizou mais uma edição do Cinema Pela Verdade, iniciativa que busca levar filmes que contem histórias da ditadura militar para todo o país. Em sessões gratuitas de cinema, seguidas por debates, levadas para todas as unidades federativas através de universidades e escolas foi possível aproximar de estudantes e da sociedade em geral histórias que recontam importantes memórias políticas do país. Foram, ao todo, 191 sessões seguidas de debates, atingindo um público de 14.000 pessoas. Os filmes selecionados foram: “Repare bem” (Maria de Medeiros, 2012, 95min), “Camponeses do Araguaia, a guerrilha vista por dentro” (Vandré Fernandes, 2010, 73min) e “Ainda existem perseguidos políticos” (ONG Acesso, 54 min). A intenção foi aproximar a população das graves violações aos direitos humanos cometidas entre 1964 e 1988, levando-a a refletir e debater tais acontecimentos por entender tais temas como fundamentais à solidificação da democracia, evitando que tais atos se repitam.

Parceiro: Instituto Cultura em Movimento – ICEM (RJ)

Termo de Parceria n° 792200/2013

Vigência: 18/12/2013 a 18/07/2014.

Valor Total: R$ 349.140,00

 

 Um golpe, 50 olhares

 O objeto da parceria entre a Comissão de Anistia do Ministério da Justiça e o CRIAR Brasil foi a produção do filme “Um Golpe, 50 olhares” que reuniu 50 vídeos de um minuto revelando o olhar de cidadãos brasileiros sobre a ditadura. O lançamento do filme ocorreu em 2014, ano em que se rememorou os 50 anos do golpe militar que instaurou a ditadura no Brasil, fazendo desta data um momento emblemático para se abordar temas caros à memória política do país, tais quais as violações aos direitos humanos e a importância da justiça de transição para a consolidação da democracia. O filme completo está disponível no canal do parceiro do YouTube.

Parceiro: Centro de Imprensa Assessoria e Rádio – CRIAR Brasil (RJ)

Convênio n° 792280/2013

Vigência: 05/12/2013 a 30/09/2015.

Valor Total: R$ 279.946,20

 

Golpe 50 anos depois: memória, verdade e justiça 

“O Golpe 50 anos depois: Memória, verdade e justiça” foi o nome dado à exposição inaugurada no Rio de Janeiro, realização do Instituto Ensaio Aberto em parceria com a Comissão de Anistia do Ministério da Justiça por meio do IV edital do projeto Marcas da Memória. A exposição contou com 12 ambientes interativos e formativos que recriaram a atmosfera cultural dos anos 60 e 70, mesas redondas, intervenções cênicas e produção de conteúdo digital para reprodução na Internet. Ao construir um espaço de interação entre a população e representações da história política do país, de forma gratuita, a parceria foi eficiente no sentido de garantir o acesso à verdade, à memória e à justiça, elementos fundamentais do processo de redemocratização passados 50 anos do golpe que marcou uma triste parte da história política e social brasileira. Alguns dos conteúdos explorados na exposição estão disponíveis no site do projeto.

Parceria: Instituto Ensaio Aberto – IEA (RJ)

Termo de Parceria n° 793174/2013

Vigência: 19/12/2013 a 19/12/2014

Valor Total: R$ 349.873,60

 

500 – O sangue dos Anjos

O objeto da parceria entre NUPPEC e a Comissão de Anistia do Ministério da Justiça foi a produção do documentário “500 – Os bebês roubados pela ditadura Argentina”. Com direção de Alexandre Valenti, o documentário de 100 minutos conta a história das Avós da Praça de Maio que ainda lutam pelo aparecimento das 500 crianças filhas e filhos de perseguidos políticos na Argentina, seqüestradas e desaparecidas entre 1976 e 1983. Até agora foi descoberto o paradeiro de 114 dessas crianças. Para além desses seqüestros, foram mais de 30 mil vidas argentinas ceifadas pelo período da ditadura no país e, ao proporcionarmos iniciativas como a produção deste filme, buscamos garantir o direito à memória e à verdade para que essas vidas sejam honradas e para que sejam reconhecidas as atrocidades cometidas pelos Estados ditatoriais e suas gravíssimas violações aos direitos humanos. No canal do projeto Marcas da Memória encontram-se as 5 partes do filme; acesse a primeira delas aqui.

Parceiro: Núcleo de Pesquisa e Produção em Educação e Cidadania – NUPPEC (RJ)

Convênio n° 794661/2013

Vigência: 19/12/2013 a 19/06/2014

Valor Total: R$ 289.384,36

 

Memória, Verdade e Justiça no Estado do Tocantins

A partir da parceria entre o Centro de Direitos Humanos de Palmas e a Comissão de Anistia do Ministério da Justiça, por meio do quarto edital do projeto Marcas da Memória, foram realizadas uma série de ações que contribuíram fortemente para os trabalhos referentes à Memória e a Justiça, com o foco no estado do Tocantins. Os produtos entregues pelo parceiro foram um filme produzido a partir de depoimentos de pessoas perseguidas pelo regime militar em várias cidades de Tocantins, uma cartilha didática sobre as práticas do regime no estado, direcionada principalmente ao público escolar e, por último, a realização de seminários temáticos em Universidades tocantinenses. O filme, dirigido por André Araújo e Roberto Giovannetti, foi chamado de Labirinto de Papel (29 min) e traz os resultados dos depoimentos e de documentos coletados no âmbito da pesquisa realizada pelo CDHP. Como forma de ampliar ainda mais o debate sobre os absurdos cometidos em Tocantins e por todo o Brasil durante a ditadura civil militar, foram promovidos dois eventos em memória aos 50 anos do golpe, completados em 2014. O primeiro foi o seminário “1964: 50 anos depois” que buscou refletir os impactos sociais do golpe civil militar e as duras conseqüências para a democracia e para os direitos humanos, gravemente violados no período. O segundo evento foi a “Semana por Memória, Verdade e Justiça no Tocantins” que ocorreu na Universidade Federal de Tocantins buscando agregar a contribuição da academia e da sociedade civil mais ampla para refletir sobre os impactos da ditadura e os esforços no sentido de recuperar o país dos traumas deixados pelo regime militar. Essas ações contribuem fortemente para o debate público sobre a recente história política do país que tenta ser invisibilizada e que é fundamental para a garantia da reconstrução democrática no Brasil.  

Parceiro: Centro de Direitos Humanos de Palmas (TO)

Convênio n° 794662/2013

Vigência: 19/12/2013 a 19/12/2014

Valor Total: R$ 295.859,35

 

 Memórias Ecumênicas Protestantes no Brasil: Dos porões da Ditadura à redemocratização

 Da parceria realizada entre a organização KOINONIA e a Comissão de Anistia do Ministério da Justiça, por meio do projeto Marcas da Memória em sua quarta chamada, foram entregues diversos produtos importantes para garantir a memória e a verdade do período de ditadura militar no Brasil. Focando-se na participação de cristãos protestantes no processo de resistência à ditadura militar, foi produzida uma pesquisa a partir de depoimentos de militantes protestantes, o que resultou num livro intitulado “Memórias Ecumênicas Protestantes. Os Protestantes e a Ditadura: Colaboração e Resistência”, organizado por Zwinglio M. Dias. O livro encontra-se disponível para leitura online e download.

Foram produzidos ainda dois documentários: “Juventude e Lutas Ecumênicas” (21min) e “Muros e Pontes - Memória dos Militantes Protestantes” (63min), ambos de direção de Juliana Radler e disponíveis no site do parceiro. O próprio site foi previsto no convênio para abrigar esses produtos assim como possibilitar a disponibilização do acervo de documentos e periódicos digitalizados referentes ao período da ditadura e que foram produzidos pelo Centro Evangélico de Informação, que depois recebeu o nome de Centro Ecumênico de Informação (CEI) e, a partir de 1979, Tempo e Presença. 

Parceiro: KOINONIA - Presença Ecumênica e Serviço (RJ)

Convênio N° 794663/2013

Vigência: 23/12/2013 a 23/12/2014

Valor Total: 262.180,00

 

Morro com um País: 50 Anos do Golpe

"Morro como um País: 50 Anos do Golpe" foi o nome dado ao projeto que circulou com um conjunto de ações culturais gratuitas voltadas para as violações aos direitos humanos cometidos entre 1964 e 1988 no Brasil. 

As ações compreenderam a apresentação do espetáculo teatral “Morro com um país – Cenas Sobre a Violência de Estado” (que foi construída a partir de depoimentos, relatos e pesquisa histórica sobre o período ditatorial nas Américas), a exibição do filme 1964 - Um golpe contra o Brasil (dirigido por Alípio Freire) e rodas de conversa com os espectadores e o público em geral. Essas ações foram levadas para quatro estados brasileiros: Ceará, Distrito Federal, Pernambuco, São Paulo e Rio de Janeiro, buscando envolver, principalmente, o público jovem para despertar consciência crítica sobre a recente e dolorosa história política do Brasil.

Parceiro: Associação de Pesquisadores Sem Fronteiras – PSF (SP)

Convênio n° 795113/2013

Vigência: 19/12/2013 a 18/12/2014

Valor Total: R$ 259.900,00

 

Foi ainda celebrado o Convênio nº 795764/2013, com a entidade Agência Livre para a Informação, Cidadania e Educação (ALICE). Devido à impossibilidade de repassar os recursos, o convênio foi cancelado.

registrado em: